quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Samplers ou Amostras de Ponto Cruz

Uma das coisas que me fascina no ponto cruz, é pensar que mulheres de séculos tão distantes, já bordavam. Para muitas o bordado era a única maneira de aprender e praticar as letras do alfabeto.
No início, os samplers eram amostras de pontos e padrões, já que não haviam livros e muito menos revistas...Quando uma bordadeira tomava contato com um ponto ou com um modelo bordado, ela o bordava em um tecido para que ficasse registrado e assim ela pudesse fazê-lo novamente.
No século XVI os samplers ingleses foram produzidos em uma estreita faixa de tecido, denominados Band Samplers. Como o tecido era muito caro, era bordado em sua totalidade.
Alguns Band Samplers eram tão valorizados, que eram mencionados em testamentos, sendo transmitidos de geração a geração.
Susanna  Weddon
Band Sampler Inglês datado de 1662

Muito destes Samplers foram costurados usando uma variedade de estilos de bordados, fios, e ornamentos. Eram extremamente elaborados , incorporando cores sutilmente sombreadas, seda e fios de bordados metálicos, e com pontos como o húngaro, florentino, tenda, cruz,ponto cruz duplo, italiano, arroz, corrida, Holbein, olho argelino e pontos de botão.Foram incorporados também projetos pequenos de flores e animais, e desenhos geométricos costurados com até 20 cores diferentes da linha.


No  século XVII  tornou-se comum, samplers com citações religiosas ou morais, enquanto o sampler inteiro tornou-se mais metodicamente organizado.
Por volta do século 18, os samplers formaram um completo contraste com as amostras dispersas costuradas anteriormente. Esses samplers  foram costurados  para demonstrar conhecimento do que para preservar a habilidade.

Para as mulheres e as meninas da época desenvolver um sampler era um sinal de realização e virtude.
Até hoje os samplers fazem sucesso. Existem kits e gráficos que reproduzem samplers antigos.

Como o ponto cruz é uma arte que se renova, existem samplers para dar um toque especial á várias ocasiões: casamento, nascimento, família, estações do ano, festas...
Aqui vai o gráfico free disponibilizado no site da Revista Agulha de Ouro, de um lindo sampler.
  



6 comentários:

  1. Que interessante, Chris! Não sabia. Me lembrei agora dos livros de bordados com amostras.
    Os bordados são sempre lindos.
    Bom restinho de semana! Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. Passando para me deliciar com as suas publicações. Mãos habilidosas.
    .
    Tema de hoje

    Manhã, nascer do sol, solfeja a cigarra no arvoredo
    .
    Deixo cumprimentos poéticos.
    .

    ResponderExcluir
  3. É muita história, né Chris?
    Já tinha lido algo quando vc postou no outro blog e achei muito interessante. Fora a quantidade de tipos de pontos que nem conhecemos...
    Os samplers antigos são tão elaborados e coloridos... Fiquei imaginando aqui a disputa para tê-los quando deixados em testamento.

    Abraços esmagadores e feliz final de semana.

    ResponderExcluir
  4. Por que será que essa postagem sua não apareceu na minha lista?
    Vá entender.
    Outro dia mandei para o Bazar dos animais, revistas de ponto cruz que ainda tinha.
    Houve um tempo que eu até tentei fazer.
    E aprendi. Mas nada de muito bem feito.
    Restou algumas toalhas ainda por aqui.

    ResponderExcluir
  5. Chris, que postagem linda, me fez lembrar que na minha época de ginásio, aprendi a bordar num paninho que 1º fiz a barra com acabamento de ponto ajour em toda a volta, lá fiz o alfabeto, preguei botão, fiz casinha, noutro aprendi o vagonite e fechei como bolsinha, são preciosidades que guardo até hoje...
    Linda recordação, excelente final de semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  6. Bom saber e também ver! Gostei! bjs, chica

    ResponderExcluir